quarta-feira, 20 de abril de 2011

Chegou a hora de combater a falta de compreensão do papel da TI

Três CIOs contam como superaram obstáculos e feudos para estabelecerem seu papel de líderes na transformação do negócio.


Se você perguntasse a um funcionário, ao acaso, que departamento mais influencia a cultura da empresa, o que ele diria? Marketing? RH? Vendas? Aposto minha coleção inteira de sapatos que ele não diria TI. Na maioria das empresas, a TI está tão distante do coração delas que muitas vezes é abrigada em um outro prédio.
No entanto, quando você olha para as empresas que sofreram uma transformação cultural enorme nos últimos anos, quem você acha que levou a essa mudança? Esses três CIOs encontraram seus próprios caminhos para combater a falta de compreensão do papel da TI em suas organizações. O depoimento de cada um deles pode ser útil para você.

CRIE UM CONSELHO DE TECNOLOGIA
Foi o que fez Bill Krivoshik. Quando, em 2009, assumiu o cargo de CIO da Marsh and McLennan, Krivoshik começou por construir um grupo de tecnologia centralizado, mas precisou convencer as unidades de negócio a aceitá-lo. “As pessoas entendiam a necessidade de fornecedor global”, diz ele. “Mas a empresa não estava acostumada a agir assim. Essa foi uma grande mudança cultural.“ “Os CIOs concordavam em reduzir o número de fornecedores que a corporação usava”, conta Krivoshik. “Mas quando chegava a hora de fazer a opção por alguns, cada CIO queria o que já usava.”
Estabelecer um conselho de tecnologia permitiu que os CIOs de negócio escolhessem o fornecedor na mesma mesa com o diretor de compras, o CFO e Krivoshik. “Haverá sempre uma tensão entre a holding e as unidades de negócio”, diz ele. “Argumentar corretamente ajudará a influenciar o comportamento mais colaborativo.”

COMECE PEQUENO
Nariman Karimi, CIO da Alghanim Industries, teve sua primeira experiência conduzindo uma mudança cultural importante como chefe de infraestrutura para as operações da Unilever Ásia. Karimi trabalhou na criação de uma única operação de TI em Cingapura para atender 15 países asiáticos que operavam de forma autônoma. E teve de combater a percepção de que a nova organização regional era o primeiro passo para concentrar as bases operacionais da corporação em seu país. “Nunca teria conquistado o apoio que precisava se tivesse anunciado que a partir daquele momento gostaria de definir todos os orçamentos e que todos os países líderes de TI deveriam se reportar a mim”, diz Karimi. “Em vez disso, montamos uma pequena equipe para centralizar servidores Lotus Notes. Uma maneira sutil de mostrar o modelo.”
Depois, Karimi e sua equipe tiveram algumas vitórias pequenas que garantiram a aceitação. Entre elas, a conquista de participação nas reuniões mensais dos presidentes do grupo na Ásia.
“Se você conseguir um lugar como aquele onde você pode relatar uma boa notícia, você pode construir um verdadeiro potencial de mudança cultural”, diz ele.

ENVOLVA TODOS
Em 2003, Joe Spagnoletti, agora CIO, foi o líder de projeto de implantação de uma única instância global da SAP para a Campbell Soup (CEC). “Meu trabalho foi bem além da tecnologia”, diz Spagnoletti. “Precisávamos fazer com que operações independentes passassem a trabalhar de forma conjunta.”
O primeiro go-live estava no Canadá. Assim, Spagnoletti levou a equipe dos EUA, que era o próximo na linha, para participar da implantação do sistema no Canadá. E, durante o lançamento dos EUA, o pessoal do Canadá se juntou à equipe e ao pessoal das praças onde ocorreriam futuras implantações.
“Culturalmente, nosso maior impacto transformacional resultou do desenvolvimento de comunidades, baseado em capacidades semelhantes, processos, ferramentas e prestação de contas. Os funcionários agora se relacionam e podem chegar a toda a empresa para trocar ideias e receber encorajamento e apoio.”


Fonte: Site CIO - Estratégias de Negócios e TI para lideres corporativos por Martha Heller,  presidente da Heller Search Associates, firma de recrutamento de executivos e co-fundadora do CIO Executive Council. Consultado em 20.04.2011, as 22:04h. Notícia extraída na integra no link: http://cio.uol.com.br/opiniao/2011/04/15/chegou-a-hora-de-combater-a-falta-de-compreensao-do-papel-da-ti/ . Ilustração minha.

.

Um comentário:

  1. Se os empresários pelo menos soubessem e importassem com a importância do TI no dilema trade off custo X nível de serviço, já seria um bom começo!

    E TI dá dinheiro né!!!
    Bjo

    ResponderExcluir